Comprar um imóvel é o objetivo de muitos casais que moram de aluguel.

No entanto, organizar as finanças do casal requer determinação, planejamento financeiro e muito foco, evitando o acúmulo de dívidas desnecessárias.

Para realizar esse sonho comum entre a maioria dos brasileiros, o orçamento deve ser enxugado evitando uma série de gastos e fazendo alguns sacrifícios. Mas acredite: se houver firmeza e persistência, esse objetivo é totalmente possível de ser realizado — e quando o esforço é conjunto torna-se ainda mais fácil.

Vamos, aqui, dar algumas dicas importantes para os casais que pretendem se organizar e economizar para esse propósito em comum sem muitas dificuldades. Acompanhe!

Faça um planejamento

Comprar a casa própria é o maior investimento para ter uma vida mais tranquila. Contudo, essa decisão requer planejamento de ambos para que nada saia do controle. Concessões devem ser feitas e, para que tudo dê certo, os dois devem fazer algumas ponderações. Confira quais são elas:

Seguindo essas sugestões, fica mais viável prever as finanças do casal e o tempo que será necessário para a obtenção do valor para o investimento inicial.

Organize o orçamento um com o outro

O casamento é uma parceria, por isso é essencial que o planejamento seja feito em conjunto e de comum acordo. Ambos devem ter ciência de que alguns sacrifícios deverão ser feitos por um objetivo maior.

Contudo, fique atento porque problemas econômicos podem atrapalhar e interferir na convivência do casal. Por isso, o planejamento deve ser feito de forma clara e honesta, a fim de que tudo transcorra na mais plena harmonia.

A dica é buscar o ponto de equilíbrio para que as dificuldades financeiras não tornem a vida da família muito difícil — nem que para isso seja necessário esperar um pouco mais.

Defina prioridades

Definir prioridades é fundamental para o casal que tem por objetivo comprar um imóvel. É assim que será possível poupar. O ideal é colocar todas as despesas no papel e definir o que pode ser dispensado.

Um bom exemplo é abrir mão de algum programa que o casal faça todas as semanas e o limite a uma vez por mês — por exemplo, as idas a restaurantes. São pequenos gastos, aos quais geralmente não se dá importância, que podem gerar grandes despesas — é só ir somando. Na verdade, não há necessidade de cortar todo o lazer, mas alguns sacrifícios precisam ser feitos.

Avalie com cuidado quanto o casal gasta com lazer e alguns serviços que podem ter seu valor diminuído. Exemplo disso são internet, TV a cabo, plano de telefone, água, energia, entre outras contas. Busque reduzi-las ao máximo.

Junte as receitas e economize conjuntamente

Pode até parecer estranho para alguns casais, visto que muitos já se habituaram a controlar seu próprio salário. Dar satisfação ao outro de tudo que pretende adquirir pode gerar certa estranheza no início, mas a estratégia de unir as receitas dá muito certo.

Sendo assim, pense nisso, visto que é uma alternativa que evita gastos desnecessários. Uma boa dica é abrir uma poupança para, ao final de cada mês, depositarem o máximo que conseguirem poupar.

Livre-se do cartão de crédito

Não podemos negar que o cartão de crédito é muito útil em determinadas situações. Só que a maioria dos casais acaba por se endividar com ele, e o pior: cada cônjuge acaba tendo mais de um cartão, e as despesas viram uma bola de neve.

Quando nos propomos juntar dinheiro para determinado propósito, devemos esquecer o cartão de crédito ou evitar ao máximo usá-lo. A dica é reduzir o seu uso e, de preferência, zerar a maioria deles. Depois cancele-os e mantenha apenas um para uso do casal em emergências financeiras. Dessa forma, verá que aquelas compras por impulso diminuirão bastante.

Aprenda a investir

Investir o seu dinheiro, em vez de deixá-lo parado na poupança, por exemplo, pode ser uma boa ideia. Aprenda a investir — isso não é feito da noite para o dia, requer certo conhecimento de mercado e economia. Por isso, procure estudar o mundo financeiro e as aplicações mais vantajosas no momento, pois existem variações no mercado. Mas, atenção: procure as de baixo risco!

Pesquise as opções de financiamento

Quem pretende entrar em um financiamento imobiliário deve pesquisar as opções que existem no mercado. Dependendo do valor inicial que o casal pretende investir, é possível escolher algumas alternativas, como o Programa Minha Casa Minha Vida, SFH (Sistema Financeiro da Habitação), SFI (Sistema Financeiro Imobiliário), bem como diretamente com uma construtora.

É possível fazer simulações de financiamento nos sites de bancos e financeiras. Isso é muito útil para que se tenha uma noção de como ficaria o financiamento, caso fossem comprar o imóvel com determinado valor de entrada.

No entanto, o casal não deve esquecer que existem as taxas e seguros que vão constar no valor da prestação. Se isso não for informado, não esqueça de solicitar, visto que pode fazer muita diferença no valor total.

Utilize o FGTS

Não esqueça de contar com o FGTS. Se você e o seu cônjuge trabalham pelo regime CLT e já têm, no mínimo, três anos de contribuição ao FGTS, podem resgatar o valor acumulado para aquisição da casa própria. Aliás, essa é uma das situações em que a retirada é permitida. Esse tempo de contribuição não precisa ser pela mesma empresa. No entanto, é necessário que você seja o titular ou coobrigado no financiamento pelo qual esteja interessado.

Como você pôde observar, organizar as finanças do casal e economizar pode exigir uma série de sacrifícios e mudanças, não é mesmo? Contudo, é preciso ter em mente que o resultado é a realização de um sonho. Siga as nossas dicas e verá que esse objetivo pode ser alcançado mais rápido do que imagina!

E então, gostou deste post sobre como conseguir controlar as finanças? Continue com a sua visita ao nosso blog e leia também o artigo sobre quais são os custos de uma casa. Estamos sempre produzindo conteúdos relevantes para os nossos leitores!

 

Fonte: blog.movingimoveis.com.br